segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

DIAS DIFERENTES

 

dia nublado dias diferentes

Um dia é sempre diferente do outro.

Às vezes parece ser tudo igual... Entretanto, nunca é.

Ontem acordei nervosa, revoltada, carente, triste, solitária.,como num dia nublado.. Tantos sentimentos misturados.

Já hoje parece tudo tão diferente.

Calma, cansaço no corpo, inspiração, vontade de rezar, mas também um pouco mais esperançosa e animada... Fica somente a carência e ansiedade.

Como se todos aqueles sentimentos de ontem me tirassem a energia e vitalidade.

Por que é assim?Por que não acordamos todos os dias do mesmo modo?

Animados, com o espírito em calmaria; perseverantes na fé; confiantes em Deus e em nós mesmos, nas outras pessoas; felizes.

Se o sol não nasce e permanece com o calor na mesma intensidade todos os dias...

Se os dias nos pregam surpresas constantemente...

Como podemos acordar e persistirmos todos os dias do mesmo jeito?

É quase como pedir a Deus para tirar-nos todos os sofrimentos e Ele atender-nos...

Se Ele assim fizesse... Como cresceríamos?

Assim são os dias, os sentimentos... Sempre diferentes!

Por quê? E para quê?

Se tudo fosse igual... Qual graça e surpresas teriam as nossas vidas?

Precisamos sempre mudar, amadurecer e compreender as coisas que nos acontecem...

Saindo da ignorância e nos tornando seres humanos melhores.

sábado, 28 de janeiro de 2012

INSPIRAÇÃO

 

 

Desejos contidos.

Escondidos de mim mesma.

Há sempre coisas que nos faltam a coragem de admitirmos a nós mesmos... Por receio das consequências.

Escondemos não só dos outros, mas também de nós.

Desejos, medos, pensamentos proibidos de serem ditos em voz alta,mesmo sozinho entre quatro paredes.

Paredes têm ouvidos.

Todos somos vários em um único corpo... Por que é tão difícil nos aceitarmos assim?

Que direito as pessoas têm de julgarem umas as outras pelo que são?

Se olhássemos mais para nós mesmos, veríamos que somos iguais aos que estamos julgando... Ninguém é perfeito!

Não somos só bonzinhos; ou só maus.

Santinhos; ou apenas safados... Para tudo há uma explicação, razão.

É de a natureza humana ter multi personalidade.

Depende da situação, dos momentos que passamos... Que nos tornamos o que somos, pensamos e fazemos hoje.

Depende também do jeito de ser de cada um.

Pode não aceitar-se como é, pode não querer que outros saibam como você realmente é...

Esconder de si e dos outros, mas uma hora ou outra seu jeito de ser verdadeiro aparece.

Você sempre se estranha quando isso acontece... E também as pessoas quando te conhecem melhor, sem máscara.

Espero um dia ser como alguém que tanto me inspira... Aceitar-me e amar-me como sou.

Mesmo com as conseqüências que hão de aparecer... Ou me aceito, ou sofrerei a vida inteira por ser como sou sem me assumir.

Só assim encontrarei em mim a verdadeira felicidade... E poder transparecê-la aos próximos.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

DESPEDIDA

 

despedida

Tristeza que não tem remédio.

Separação inevitável quando chega a hora de ir embora.

Lágrimas que caem, mesmo quando a vontade é segurar as emoções.

Abraços; beijos; pedidos de desculpa por alguma coisa que fizemos e o outro não gostou; declarações de amor e carinho a quem nos visitou...

É sempre assim... Em qualquer lugar no mundo.

Na chegada são sempre abraços e beijos; choros de bem-vindos, reencontros; alegria e sorrisos no ar, conversas para se atualizarem...

Tempo de visita é de conversas até tarde da noite, às vezes têm discussões; impaciência; desabafos; brincadeiras; gastos; “engolir sapos” para não ofender, ou magoar...

Receber visitas longas quase nunca é fácil, mas são tão esperadas... A expectativa  e felicidade de recebê-los é sempre grande.

A despedida é sempre dura... Há sempre o sentimento da perda, do medo de não vê-los mais... É tão difícil e triste!

Há a dor da saudade dos bons momentos passados na presença dessas... E a sensação de solidão; do vazio que fica, quando ficamos só nós de casa...

Há também sensação de alívio por voltarmos a nossa rotina normal... Não dá para ser hipócrita e negar.

E para quem foi... Ficará a sensação gostosa de estar em casa de novo quando chega a seu lar.

Por mais que tenha gostado de mudar de ares, de viajar, visitar quem ama... É como voltar à terra firme.

Despedidas... Por mais que não queiramos que aconteçam_ são necessárias para sabermos aproveitar o presente e sentirmos saudades depois que se forem.

É esperá-los para uma próxima visita, ou ir visitá-los... Deixando sempre a emoção dos reencontros.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

LEMBRANÇAS




Grande parte de mim, de nós… É feito de lembranças.
Lembranças que muitas vezes tentamos ao máximo evitar lembrar.
Lembranças que nos dão um nó na garganta,um aperto no peito… Que mal conseguimos falar.
Memórias que não se apagam… Sensações que não desaparecem.
Parece que sempre aparece algo para nos lembrar: filmes, livros, mensagens, conversas… E nos dão vontade de chorar.
Lembranças doloridas…Será que um dia  irei esquecer?
Lembro-me de visitas no hospital… Quanto mais o via ali e naquela situação, naquele lugar… Mais eu queria sair de lá.
Sair correndo e chorando pelos corredores tristes e intermináveis… Ah, se eu pudesse!
Dureza ao vê-lo na sonda para se alimentar… Na nossa casa, na cama e na sala de estar.
Ele ali tão desprotegido, frágil, quase imóvel… E eu sem poder fazer nada por ele, além de dar-lhe carinho.
Nem sua voz dava para ouvir direito, de tão baixa… Só nos restava fazer-lhe companhia.
Rezava para que Deus fizesse o melhor para você.
Não suportava mais vê-lo sofrer… Que saudade, meu pai querido!
Será que sua imagem já doente_ quase sem cabelo, magro, de pijama e na cadeira de rodas sairá um  dia de minha mente?
Será que vou esquecer-me das noites sem sono e com dores?
Das vezes em que mãe e eu sofremos andando sozinhas na rodoviária em Brasília?
Tantos momentos difíceis já passados… Enfrentamos tantas coisas.
Umas felizmente esqueci… Outras jamais sumirão.
Ah, que beleza! A vida não é somente de momentos ruins; ou difíceis de lidar, de superar.
Também há memórias para sorrir, momentos de emoção e felicidade…
O dia em que fiz 15 anos; minha colação na faculdade; e o dia que te vi, meu cantor favorito, Vavá.
A vida segundo alguns é feita apenas de momentos…
Há os de tristezas, dificuldades, mas também de emoções e alegrias…  como almoço com família toda reunida.
Quais lembranças mais marcaram suas vidas?
Aquelas que jamais  se apagarão… Tomara que as boas sempre prevaleçam!
As boas nunca vou esquecer… Terão sempre  pessoas especiais e fotografias para me ajudar a lembrar.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

A SOLIDÃO E A CARÊNCIA


solidao amr_carencia
Em meio à solidão e a amargura, sempre aparece a carência que não me deixa em paz.
Mais um começo de ano solitário... E me pergunto: será que até o fim deste ano será diferente?
Será que farei alguma diferença para o mundo e para mim mesma esse ano?
Culpo-me por minha ingenuidade... Por esperar demais que as coisas sejam diferentes, quando a pessoa que estimo não dá sinal nenhum de que serão.
Fico mal... A mágoa, a decepção e a tristeza aparecem e preenchem meu coração, minha alma.
Logo elas que não queria que aparecessem... Quero que elas saiam. Entretanto, persistem.
A carência também não vai embora... Parece uma quadrilha, que só nos quer no fundo do poço e sozinhos.
A carência sempre age junto com a solidão... São inseparáveis!
A tristeza, decepção e a mágoa também vivem uma perto da outra, mas a primeira sempre aparece antes... As outras são coadjuvantes, ainda assim, importantes.
Todas juntas sempre fazem um estrago infindável quando passam... Deixam feridas que talvez nunca cicatrizem.
Temo pelo fim do ser humano... Rodeado por pessoas, milhares até... Umas muito queridas, mas no fundo estará sempre só.
Só ele e seus pensamentos... Sua solidão interior.
Será que quando temos um amigo, realmente nunca estamos sós?
A vida é tão corrida... Tantas coisas para fazer, problemas para resolver... Talvez futuramente não tenhamos tempo nem para nós mesmos.
Sequer para sabermos se sentimos ainda alguma coisa... E o quê?
Ainda mais para ouvirmos problemas alheios... Mesmo de pessoas que tanto consideramos, amamos.
É tão bom ter alguém para te escutar e escutá-la; para sorrir com você, ou te fazer sorrir com bobeiras... Até mesmo chorar com você, e chorar com ela.
Daqui uns anos onde encontraremos essas pessoas? Se agora já está tão difícil de encontrá-las.
Amargura pelos sofrimentos já passados; pelas decepções sofridas; frustrações, perdas e rejeições sentidas?
Um pouco, mas quem já não passou por isso?
É fase que todos nós passamos; mais cedo, ou mais tarde... Nem com orações e fé nós escapamos, mas temos mais força... E no fim, esquecemos e superamos...
Assim espero.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

CÉU INFINITO

 

ceu infinito1 ceu nublado Céu infinito2

Céu infinito que em cada lugar é distinto.

E parece tão único e igual quando olhamos para cima.

Céu nublado aqui; já ali é tão aberto e azul belo com sol brilhante e aparente.

Em outros se vê nuvens como algodão e o sol meio que escondido, mas ainda aquecendo-nos e iluminando-nos.

No entardecer vê-se o céu ficar multicolorido, com o sol já saindo de nossa visão e admiração.

Nas noites, se vê estrelas e uma lua a iluminarmos, em outros lugares não se vê nada disso.

Vê-se apenas um céu azul petróleo sem nada a olho visto em que podemos nos orientar.

Mas longe, bem longe de nós... Sabemos que no céu há muito mais do que podemos ver e imaginar… Além de planetas, satélites, estrelas...

Céu infinito que não sabemos até onde pode chegar... Tão vasto, ilimitado, que nos surpreende e assusta.

Como pode em cada lugar ser diferente essa atmosfera que está sempre sobre nós, e como se tivesse nos observando?

Observando essas vidas aqui, quaisquer que sejam... E sempre sabe do que precisamos: de luz, de sombra, de chuva.

Ao observar o céu podemos admirar e pensar sobre a perfeição da natureza e seus mistérios infinitos...

Vemos que não há sentido em desvendá-los, apenas sabermos que existem e sermos agradecidos por existirem…Isso é divino!

VIVIAN E O PODER DE LUTAR

Era um dia bem chuvoso e frio e Vivian se perdia em seus pensamentos sobre quem realmente era e para que razão estava nesse mundo, enquanto...